Arquivo da categoria: Camboja

Siem Reap – Dia 2 – CAMBOJA

DSCN2350

Siem Reap é uma cidade muito preparada para o turismo. Tem restaurantes ótimos, hotéis-boutique, um pequeno palácio real para que o rei do Camboja visite a cidade eventualmente… E um museu de arte Khmer grande, bem organizado, que vale a pena ser visitado.

DSCN2340

Mas acho que o museu mais inusitado de Siem Reap é o Museu das Minas Terrestres. Como ele é mais isolado, certamente você vai precisar de um táxi para te levar.

DSCN2338

O museu foi fundado em 1997 por um ex-soldado cambojano. Aki Ra,o soldado, viu muitas crianças camponesas feridas por minas na região da fronteira entre a Tailândia e o Camboja. Aos poucos, foi procurando as bombas e as desarmando pouco a pouco. Todas as bombas que conseguiu desarmar ele está expondo no museu, que conscientiza sobre o tamanho do problema e sobre as origens do conflito. As bombas foram instaladas prioritariamente durante o regime de Pol Pot, já que a rivalidade entre o Camboja e a Tailândia é grande. Hoje, há ainda mais de 5 milhões de minas no território que separa os dois países, tornando a exploração dos solos não mapeados algo extremamente perigoso.

DSCN2320

Almoço no restaurante perto do Museu das Minas Terrestres

A obstinação de Pol Pot e do Khmer vermelho em recuperar a terra que antes pertenceu à civilização Khmer era grande. Seus soldados chegaram a invadir o su do Vietnã, chegando à região de Chau Doc. Porém, foram os vietnamitas que também auxiliaram na liberação do Camboja ao final da década de 70 e na sua reestruturação enquanto monarquia parlamentarista.

Anúncios

Siem Reap – Dia 1 – CAMBOJA

7708301962_5d9d8a2296_z

Licenciamento: a gente vê por aqui.

Chegar a Siem Reap a partir de Phnon  Penh ou Bankok é fácil. Há voos diretos para o aeroporto internacional da cidade, pequeno, mas prático e muito acostumado a receber turistas, principalmente os europeus.

Siem Reap é a cidade base para visitar os ankores e a cidade da antiga civilização khmer. A cidade é lotada de hotéis boutique, bons restaurantes e lojas.

7708208356_5c4504a7e1_z

O símbolo do Camboja é o maior templo religioso do mundo, o Angkor Wat. Ele está na bandeira e já deve ser familiar a muita gente que nem mesmo ouviu falar do pequeno país.

DSCN2242

A visita ao seu interior é uma loucura. Tudo é imenso, com muitas torres, salas, corredores e escadas.

7710055372_d61d6d49ff_z

Para chegar à região dos ankores, o ideal é alugar um tuktuk só pra você. É seguro e você pode combinar o preço na hora. É barato. É interessante pedir uma indicação ao hotel porque seu guia pode te levar aos outros imensos templos e palácios da região. A cidade antiga é gigante, as ruínas são grandes e há muitos pontos de interesse. O guia dá uma filtrada, o que ajuda bastante.

7708293772_6762641c64_z

Referência pop: neste templo foi gravado Tomb Raider

Abaixo, um panorama geral da região histórica!7708214310_1161c51495_z 7708260016_587b8a3661_z 7708269166_5994fd71f5_z 7708290880_795faa96b7_z 7708315140_3eed4973e5_z 7708320114_201a48fa4f_z  7710109418_55c4c6a36d_z 7710165202_4e6d7a5202_z

Phnom Penh – Dia 2- CAMBOJA

Phnon Penh é uma cidade antiga e nova. Antiga porque foi a capital do reino do Camboja por muitos anos. E nova porque foi destruída na década de 70 durante o regime ditatorial de Pol Pot.

DSCN2161

Uniforme do Khmer Vermelho

Pol Pot foi talvez o mais sanguináreo e violento ditador da história contemporânea. Ou é páreo com Stálin. Quando assumiu o governo do Camboja, foi festejado por libertar o país do colonizador francês. A alegria da população durou pouco, pois a visão de governo de Pol Pot era um comunismo agrícola. Não havia espaço ou possibilidade para profissões ditas burguesas ou com muitas especialidades.

DSCN2119

Todos deveriam sair da cidade e ir ao campo trabalhar. Quem não quisesse, iria para as prisões. E os que resistiam ao governo eram torturados e executados . Se você usasse óculos, por exemplo, já seria caso de ir para a prisão, pois óculos é um ferramenta burguesa. Eu estaria ferrado. E enquanto destruía o país, Pol Pot era celebrado como líder comunista internacional, fazendo discursos na Europa.

DSCN2140

Visitei alguns centros de segregação e tortura. O primeiro deles é o Tuol Sleng Genocide Museum. O local era uma antiga escola que foi transformada durante o governo de Pol Pot em uma prisão. As salas de aula viraram celas e câmaras de tortura. Tudo ainda está disposto para exibição. É meio macabro. Há paredes com sangue e muitos crânios de pessoas que ali foram executadas. É pesado.

DSCN2121

Ao final do tour, a guia me perguntou se eu tinha interesse de visitar um mass grave, ou uma sepultura para várias pessoas. Disse que sim.

DSCN2144

Ela me levou para os arredores da cidade em direção ao que é hoje um parque e um memorial às vítimas do governo de Pol Pot. Passamos por muitas fábricas onde as roupas da H&M, Zara e outros fast fashion são fabricadas. E chegamos a um parque verde, com uma torre de vidro repleta de crânios ao centro.

DSCN2145

Eram crânios dos corpos que foram retirados das covas do local. O governo tentou pouco a pouco resgatar os corpos e reconhecer as vítimas, mas foram mais de 400 mil pessoas enterradas neste local, o que tornou a tarefa impossível. E assim fizeram um memorial em homenagem às vítimas.

DSCN2152

Dentes e ossadas pelo chão

O Camboja é um país extremamente úmido e, por isso, ainda hoje muitas ossadas de pessoas que foram enterradas nos mass graves vêm à superfície depois das chuvas. É comum, portanto, você caminhar sobre ossos e encontrar dentes pelo caminho.

DSCN2156

Há ainda uma árvore onde recém nascidos de prisioneiras eram executados por guardas, que batiam as cabeça das crianças no tronco até morrerem.

DSCN2160

No início do parque, há um museu que conta toda a história do genocídio. É pesado, mas é extremamente importante para compreender a que ponto vai o culto ao mito em regimes políticos.

Phnom Penh – Dia 1- CAMBOJA

DSCN2084

Muita gente visita o Camboja sedenta pelos ankores e esquece de conhecer a outra a capital de nome impronunciável: Phnon Phen (pronuncia-se pron pe).

A capital do Camboja é uma das cidades mais especiais da Indochina pela sua carga histórica. Cheguei à cidade vindo de Chau Doc, no Vietnã, de barco, pelo Rio Mekong. O barco é pequeno, mas confortável. E no meio do Rio a gente tem que fazer imigração para o Camboja.

DSCN2069

Ponte de acesso ao posto de imigração na fronteira entre o Vietnã e o Camboja

Contratei uma guia e, chegando na cidade, ela já estava disponível para me receber. Ainda que não tivesse guia, a cidade é segura, não muito grande e tem ruas retas e organizadas. Tem um quê de cidade praiana brasileira, mas ainda assim conserva o caráter asiático, com alguns prédios ousados, muita moto e bicicleta na rua.

DSCN2080

Em frente ao meu hotel, comi em um dos restaurantes mais legais da cidade, o Friends. A comida é saudável e maravilhosa e o restaurante é uma associação sem fins lucrativos, que integra pessoas de baixa renda a uma formação profissional. O lugar ainda tem uma loja de produtos feitos por estas pessoas. Tudo muito bonito e num casarão muito agradável.

DSCN2081

Phnon Phen tem um grande mercado de alimentos, num prédio interessante, e tem uma rua muito legal, com lojas e cafés estilosos. É a rua 240, que tem dessas modernidades…

DSCN2164

O bom é que a gente está no Camboja e os preços são baratos. Lembro que pedi para a guia me deixar aqui ao final do dia para eu voltar a pé sozinho, andando para o hotel. Foi uma aventura. Me perdi várias vezes, entrei num hospital para me informar, mas, enfim, o retorno foi tranquilo e divertido.

DSCN2086

Neste primeiro dia, visitamos o palácio real. Para quem foi a Bangkok e viu o palácio dos reis da Tailândia, prepare-se porque o complexo de Phnon Penh também impressiona. É mais antigo e levemente mais suntuoso. A dinastia Khmer, do Camboja, era o reino mais poderoso da Indochina. A Tailândia e parte do Vietnã já compuseram o Camboja. A independência da Tailândia veio diante de uma rebelião liderada por outra dinastia, conquistando assim sua separação do reino Khmer. Quanto ao sul do Vietnã, o Camboja perdeu pelas invasões do país vizinho. Assim, o Camboja tornou-se o país mais pequenino da Indochina. Mas, talvez, o mais interessante.

DSCN2099

DSCN2090