Arquivo da categoria: França

Paris – Dia 2 – FRANÇA

Outro local em que sempre tive curiosidade de ir em Paris foi o Cemitério Père Lachaise. Sempre me impressionei com o cemitério da Recoleta, em Buenos Aires, e o próprio cemitério de Buenos Aires se posiciona como o segundo do mundo em obras e ornamentos depois do Père Lachaise. E as personalidades enterradas no cemitério mais famoso de Paris são várias: os escritores Marcel Proust e Jean Paul Aron, os filósofos Piere Bourdieu, Auguste Comte, os músicos Frédéric Chopin e Jim Morrison, o ditador mexicano Porfirio Diaz, entre outros.

9429073884_3fe4fd1501_z

Oscar Wilde

Mas a sepultura que mais me chamou a atenção foi a de Oscar Wilde, poeta e escritor homossexual inglês, preso por sua vida devassa e por não ter papas na língua. Sua tumba é tão amada e beijada que a administração do cemitério construiu um painel de vidro no entorno para preservá-la melhor.

9426301019_322401964e_z

Dois outros lugares para encontrar os locais: o parque de La Villetec, no Quai de la Seine, com restaurantes e cafés ainda pouco explorados pelos turistas em geral. E às margens do sena, sobre as quais também não tinha andado. Antes, abrigavam pistas de carro, mas o prefeito resolveu transformá-las em espaços para as pessoas tomarem sol e comerem alguma coisa na beira do Rio.

9371991944_6f957ccc73_z

E os pratinhos de queijo podem ser pedidos em qualquer lugar de Paris a qualquer hora. São bons no café da manhã, depois do almoço ou como jantar. Tinha dias, é claro, em que comia duas vezes.

9416813426_3f110bab87_z

Fui à ilha de Saint Louis, onde há a Notre Dame, para visitar na verdade a própria Capela de Saint Louis, que é dominada por vitrais. Há um horário melhor para visitá-la em função da luz, que deixa tudo mais radiante, mas não consegui coordenar. Ainda assim, valeu entrar lá.

9426353929_be7e61e1b4_z

E um passeio que vale muito fazer, mesmo que você não seja rico, o que é o meu caso também, é andar pelo entorno da igreja da Madeleine. Por ali, estão todas as grifes francesas e mundiais de luxo, além de alguns dos restaurantes mais caros da capital. Se quiser entrar em algum e participar do entorno, peça um omelete na Maison dês Truffes, pois você vai comer trufa de verdade por cerca de 17 euros. Não é barato, mas é mais possível. Ali perto também tem a confeitaria Fauchon, com doces, cafés e biscoitos caros, mas deliciosos e acessíveis.

Anúncios

Mont Saint-Michel – FRANÇA

9369311523_1780201e17_z

O passeio à cidade do monte Saint-Michel pode ser feito num daytour a partir de Paris. É caro, toma o dia inteiro, dura poucos tempo qo chegar no local, mas é bacana.

9372051106_0420b730e8_z

O Mont Saint-Michel é longe pra caramba, pois fica no litoral norte da França e dele já dá para se ver o mar. Mas o que fascina tanto as pessoas no local é o fato de ter sido construído sobre uma ilha que, quando a maré sobe, impossibilita o acesso ao local. É quando a maré baixa que conseguimos acessar.

9369259737_329e041d9b_z

Tomamos um ônibus, chegamos no local. Almoçamos alguns mexilhões. Passeamos pelo castelo, descemos, tomamos café. Durou cerca de 2 horas e já era hora de ir embora. E fomos.

9372077810_1b8fff4a15_z

Paris – Dia 1 – FRANÇA

Todo mundo tem mil dicas e mil visões sobre Paris. Conheci a cidade em 1997. Era a primeira vez em que eu ia pra Europa, com meu dinheiro juntado num voo Rio-GRU-Recife-Zurich-Paris da Vasp! Achei tudo ótimo e divertido. E lembro que uma amiga foi me receber no aeroporto e a sensação que tive ao sair do metrô na Rua de Rennes, onde ficava meu hotel. As calçadas eram perfeitas, era tudo eficiente mas a grande maioria dos prédios era muito antiga. Eu me sentia de vato no velho mundo.

9372215764_c77f27150f_z

Meus pais, ainda casados, estavam também na cidade e foram me encontrar no meu hotel. Eles estavam no lado da Opera, do outro lado do Rio. E eu do lado boêmio. Lembro que fiz tanta coisa naquele dia, mas tanta coisa… Não sei como aguentei. Mas lembro de a gente indo do Café de Flore, em Saint Germain de Prés. De lá, minha amiga Bia me encontrou de novo e subimos a Torre Eiffel, que é um programa que precisa ser feito porque, por mais que já existam estruturas muito altas no mundo e eu já ter subido em muitas delas, nada nunca me deu a sensação de estar tão alto quanto no dia em que subi a Torre Eiffel. Talvez pelo fato de o gabarito da cidade de Paris ser baixo e a torre erguer-se por mais de 300m em meio aqueles prédio baixinhos. Ainda tive a sorte de não pegar muita fila e poder ter visto o por do sol lá de cima. Na época, não tinha máquina digital. Tenho alguns registros, mas nunca digitalizei.

9430645390_73d380044b_z

Lembro ainda que depois disso encontrei meus pais e fomos no Louvre num esquema ver e dar check na Monalisa, na Venus de Milo, na coleção egípcia. Tudo muito rápido e intenso para depois voltar para o hotel e dormir!

Era inverno e agora eu tive a oportunidade de ir de novo no verão, o que é diferente, pois a cidade, que já é a mais visitada do mundo, fica ainda mais abarrotada de turistas, o que é espantoso. Paris está cara, ou segue caríssima, mas é aquela cidade em que você sai de manhã pra andar e só volta de noite de tanto admirá-la.

9369384331_06c3ae711c_z

Montmartre

Dessa vez, tive muitos dias na cidade e resolvi fazer algumas coisas que eu ainda não havia feito. E destaquei algumas das que me marcaram mais.

9369112933_63712332db_z

Centro Georges Pompidou

Fui a Montmartre e almocei num restaurante delicioso. que eu infelizmente não me lembro o nome. Saberia até reconhecer pessoalmente – tentei agora pelo google maps – mas não consegui. De lá, desci andando em caracol em direção ao Marais, o antigo bairro judaico que já foi pobre, mas hoje é talvez a região que mais ferve culturalmente em Paris. É lá que está o Centro Cultural Georges Pompidou, que tem exposições de arte moderna e contemporânea, além de restaurantes. O local é uma atração já pelo prédio em si Vi uma exposição farta do Mike Kelley e do Roy Lichtenstein.

9427826189_cd0a3a5428_z

De lá, cruzando a Pont des Arts, em que muitos apaixonados colocam seus caderninhos, cheguei a um dos museus mais bizarros e interessantes de país, em Saint Germain de Prés. O Museu da Escola de Medicina tem um acervo aflitivo de instrumentos utilizados para amputar, fazer exames, retirar pedras dos rins… Tudo numa época em que a anestesia muitas vezes era um trago de bebida alcoólica.

9426072281_4abf2e28ac_z

Exame ginecológico

9426088599_0c047eaf10_z

Isso entrava pela uretra e retirava as pedras que estão expostas ao lado da ferramenta

9426097751_b085b93e2b_z

Kit de amputação

9430754718_4d2a4cd00f_z

Foi também na Rive Gauche que visitei o museu Rodin, que vale muito pelo passeio no jardim. As obras do mestre modernista da escultura contemporâneo dos pintores tão celebrados que romperam com a história da pintura na virada do século XIX para o XX. Rodin fazia o mesmo trabalho com a escultura, quando  entendia que a ideia da forma poderia ser mais importante que a representação fidedigna.

9430285496_c2808227a0_z

Dois lugares para comer são muito legais na Rive Gauche: o primeiro é pra quem, como eu, adora foie gras, apesar de saber do método cruel de preparo da iguaria. Um é o Comptoir de la Gastronomia, onde comi um ravioli de foie gras com molho branco.

9426340369_c4a6673747_z

Outro é uma rede que está em vários locais da cidade, mas é muito boa pra quem gosta de mexilhão: o Leon de Bruxelles, que não tem em Bruxelas 😛 E lá comi meu prato de mexilhão com molho de tomate queijo.

9371911030_14fe2f577d_z

A Monalisa

File:Mona Lisa.jpg

Repare em alguns aspectos interessantes deste quadro. O primeiro é que muito se suspeita da não- existência da Gioconda, a musa retratada. Atribuiu-se ao próprio Leonardo  Da Vinci esta que seria a sua versão em forma de mulher, o que já questiona o papel de alguém que posa para a pintura em si ou pede a um artista para retratá-lo coerentemente. Ou seja: um retrato, para existir, precisa ser concebido antes mentalmente para depois ser passado para o papel. E o que vemos com a Monalisa é que o retrato não necessariamente irá retratar alguém que seja real.

Outros aspectos interessantes da Monalisa são sua noção de tridimensionalidade. Repare o canto direito e no canto esquerdo do quadro. Eles estão propositalmente desalinhados para que a cada canto que se direcionar o olhar se tenha uma diferente perspectiva da boca. A Monalisa pode estar sorrindo ou pode estar séria, dependendo de seu olhar. E como Da Vinci consegue esse efeito na boca? Esfumaçando seus cantos, conforme podemos ver.

Por que essa é uma das pinturas mais importantes e a mais famosa da História? Porque iniciava o processo de discussão da Arte como algo mental. Incluía a pintura no hall das “artes” ou da Arte. E definitivamente  com o Renascimento e a  valorização da burguesia e da acumulação individual de dinheiro, a individualidade assumia o início de sua história bem sucedidade.

O ápice da manifestação individual, a arte, poderia agora ser materializada e, diferente da Música, da Matemática e da Filosofia, poderia ser adquirida mediante dinheiro. E assim se iniciava um período de quase 5 séculos de arte considerada uma materialização do pensamento do artista, tendo a pintura e a escultura com patrocínio burguês turbinando sua ascendência e consolidando o que passaríamos a chamar de Arte Formalista.