Arquivo da categoria: Dinamarca

Copenhagen – Dia 2 – DINAMARCA

20759604392_28b2dbf1e8_z 20582257819_089b970ff5_z

Christiania é a região de  Copenhagen habitada e administrada pelos hippies. Fica no meio da capital dinamarquesa, mas tem leis próprias. A coleta de lixo é feita pelos locais, não permite a entrada de carros, não tem Google Maps mapeando a região, o comércio de drogas é farto e o da maconha é aberto descaradamente a todos que quiserem comprar. As fotos lá dentro são proibidas. O clima é estranho. Por um lado, uma euforia em poder usar drogas abertamente, a céu aberto, tomando cerveja e convivendo com os locais. Por outro, o estilo de vida decadente daqueles que foram morar em Christiania em busca da diversão e hoje caem por lá viciados, alcoólatras, sem lar e sem família. É a decadência de um estilo de vida que foi vendido como livre e rompedor, porém não trouxe a liberdade e o bem-estar para os que aderiram a ele de cabeça. Estão muitos de seus adeptos jogados pelos jardins do local.

A comida em Christiania, no geral, é ruim. Muita coisa feita para servir de larica, uns sanduíches esquisitos, pessoas de higiene duvidosa vendendo um pouco de tudo. Mas há alguns restaurante que se salvam, entre eles alguns vegetarianos. Almocei num deles, cujo nome não me lembro. E os preços estão em linha com o lado de fora da muralha que separa o local do resto da capital dinamarquesa. Cadê o clima paz e amor e anti-capital?

Ainda em  Christiania, repare nos traficantes de drogas com suas barraquinhas montadas e seus capuzes que os deixam semelhantes a terroristas. Dá um pouco de medo, pois o olhar deles intimida. Vá durante o dia e não se avexe do passeio por isso. Visitar Christiania é uma experiência. Você pode alugar bicicleta . E repare que há muitas famílias conhecendo o local dessa maneira.

20742887966_1b7673943a_z

Perto do território independente de Christiania, está a igreja de Cristo, o Salvador. É uma das igrejas mais bonitas da cidade por causa de sua torre em espiral. E o melhor: você pode subir até o topo e ter uma vista privilegiada da cidade. São 400 degraus. Recomendo.

20580992770_11f9ea17b4_z 20147952903_25f0682d97_z 20760472432_278d34f3a2_z

Dentro da igreja, um órgão suntuoso e todo ornado em madeira é o grande destaque em contraste com o simples interior da igreja ortodoxa. Dá pra se pegar admirando, ainda mais se você, como eu, for louco por um templinho pra descansar da caminhada. A Europa é cheia de igrejas católicas e protestantes, então aproveite para admirar, ouvir a música e quem sabe até assistir a uma missa.

20769015705_30a988d96f_z

De Copenhagen, segui para Berlim de trem. A viagem é especial porque o trem, num dado momento, precisa embarcar num ferry para cruzar o mar rumo à Alemanha. Todos os passageiros são obrigados a desembarcar e curtir a paisagem local e o ventinho rio de verão. E passar ainda por uma das maiores fazendas de energia eólica do mundo. É interessante ver o trem novamente se encaixar no trilho para seguir viagem. Tecnologia a serviço da mobilidade coletiva: a gente vê por aqui.

20146260404_41804b2193_z 20146255724_4e667f5380_z 20768835725_da25972804_z

Anúncios

Copenhagen – Dia 1 – DINAMARCA

20776382341_bb0ae83305_z

Copenhagen é capital da Dinamarca. Não é rica em chocolate, não tem nhá benta, chumbinho ou lajotinha. Tem muita bala de alcaçuz, marzipan e biscoito de farinha branca. Tem também muita torta de frutas, muitos frios maravilhosos e pães incríveis, com muitos grãos, como em todo o norte da Europa.

Os dinamarqueses gozam de uma vida boa, plena e de respeito de uns aos outros. Bicicletas, carros e pedestres convivem harmonicamente na cidade. Ninguém buzina ou joga o veículo em cima de você. Isso por si só já é uma experiência para quem vai da América Latina ao país

20760025292_15304138c5_z

Mas a cidade reserva mais. Um dos parques de diversão mais antigos do mundo, o Tivoli, abre diariamente. É lindo já só pelo passeio por dentro – você nem precisa andar em nenhum brinquedo. Aliás, são pagos à parte da entrada. E não são baratos, como nada na cidade é. Piora muito com o Real tão desvalorizado… :/

20148878203_6c3dbdb3d2_z

Mas a cidade é cenográfica. Não precisa gastar tanto para ver coisas bonitas. Basta passear a pé. Dá pra percorrê-la toda andando. Mas se você tiver um trocado, recomendo o passeio de barco pelos canais. É um passeio bem turístico, mas delicioso. E com o bônus de irem te contando sobre a história da cidade. De quebra, você ainda vê a “grande atração local”: a estátua da Pequena Sereia, conto de Hans C. Andersen, escritor local, que ise popularizou no filme da Disney.

20148319323_f523611a9a_z 20148250633_cd40ddbfd4_z

Andersen não foi o único a viver na cidade. Copenhagen também foi casa de outro habitante ilustre: o filósofo Soren Kierkegaard, que formulou conceitos que Freud parece ter pegado emprestado para psicanálise. Entre eles, o de angústia, a ansiedade inominável.

20146761934_ca4636289d_z

O Museu Nacional da cidade conta a história da Dinamarca, da pré-história aos vikings e reis. Você pode visitá-lo gratuitamente, o que é ótimo, pois o museu é lindo.  E faz parte do seu passeio comer os famosos sanduíches abertos dinamarqueses, o smorrenbrod São servidos em muitos lugares. Esses da foto foram a escolha do chefe no restaurante Brooklyn. Hummmmmm

20582550509_c1557c8de4_z