Caracas – Dia 1 – VENEZUELA

8211226420_f1d8b77fd6_z

Conhecia toda a América do Sul, com exceção das guianas e da Venezuela. Conhecer o país até então governado por Chavez era uma curiosidade grande. Como era a vida num país em que o governo foi competente em ressaltar a divisão? Divisão do país, da capital e da população. Nada de ilhas paradisíacas. Minha curiosidade sobre a Venezuela era em relação a Caracas, a capital que simboliza um pouco da tragédia, aos meus olhos, que vive o país.

Lemos todos os blogs sobre a capital, todas as dicas de segurança e assistimos ao filme Secuestro Express (2005) para entrar no clima. A principal tensão era sobre o aeroporto, que não fica em Caracas, mas sim em Maiquetia, uma cidade próxima, à beira-mar. Já sabíamos que seríamos abordados em pleno saguão, antes mesmo da imigração, por “taxistas credenciados”, que oferecem táxis e exibem um crachá oficial. Esses táxis são uma milícia em conchavo com a administração do aeroporto que assaltam turistas durante o trajeto entre Maiquetia e Caracas. Lemos todos os avisos de segurança, inclusive do próprio hostel, para nos dirigirmos ao lado de fora do aeroporto e tomarmos os táxis pretos, modelo Ford Explorer. A corrida deve ser combinada diretamente com os motoristas, que são impedidos de entrar no saguão.

Ah, e no aeroporto, troque apenas o essencial para o táxi, já que o câmbio legal não é vantajoso e há câmbio ilegal que paga o dobro e até mesmo o triplo por toda a cidade. Seu hoteleiro certamente vai te ajudar e você pode confiar.

8210144191_2bc294f0f3_z

Isso feito, fomos diretamente ao Dal Bo Hostel, hostel muito bem avaliado no Hostel World. A intenção de ficar num hostel em Caracas foi exatamente ter toad a assessoria que a impessoalidade de um hotel não costuma dar. O Dal Bo é perto do metrô e seu dono, Gustavo, o convida a entrar em seu universo de parrilhas à noite e toques de acordar com o pior da música eletrônica às 9h da manhã, câmbio próprio, um cachorro da raça akita nas áreas comuns e telefones celulares distribuídos entre os hóspedes para ligar diretamente para ele em caso de qualquer ocorrência.

8210148909_1aa06884b3_z

O hostel fica no centro, tido por caraqueños como zona insegura, talvez pelo fato de ser um local extremamente chavista (assim como o dono do hostel). Não há nada com que se preocupar: a cidade como um todo é extremamente insegura e perigosa e ficar no centro não piora a experiência. Nossa sensação foi exatamente contrária: passamos mais despercebidos.

8211195072_138cd19be0_z 8210105651_af25dda5be_z

No dia seguinte, partimos para explorar a cidade e fomos direto ao teleférico estadual. O trajeto é longo e alto, levando ao cume da serra que divide Caracas de Maiquetia.

8210135795_bf6dbe8db8_z

8211230020_c9572d770f_z

De um lado, é possível ver toda a cidade, verde, que de cima parece tranquila e sólida. Do outro lado, vemos o oceano e o aeroporto. Findo o passeio, primeira bobagem da viagem: tomamos um ônibus ao pé do teleférico que nos levaria à estação de metrô mais próxima (o metrô é eficiente e percorre quase a cidade inteira). Só que o ônibus, caindo aos pedaços como quase todos em Caracas, entra por uma favela (elas estão por toda a cidade) antes de chegar à estação. Pagamos a passagem e já nos perguntaram: “vocês são espanhóis? Não parecem venezuelanos”. Avisamos logo que somos brasileiros a fim angariar a simpatia do motorista e da população.

Rumamos para o bairro elegante da capital, Altamira, que é bonito. De lá, metrô de novo para o museu de arte contemporânea, que é escondido, mas vale a pena ser visitado, e para o museu de Belas Artes.

8211224822_f4e102841f_z (1)

Fim do dia de volta ao hostel antes do anoitecer.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s